TV CONSUMIDOR Bah! TV ONLINE TOP Consumidor NOTÍCIAS RECOMENDAMOS QUEM SOMOS CONTATO  
Crise financeira mundial
   
     
 


18/03/2009

Crise financeira mundial
Queda na arrecadação de ICMS é menor no Rio Grande do Sul

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou estudo que mostra o impacto da crise econômica na arrecadação do ICMS no País. Segundo o estudo, nove estados tiveram a arrecadação reduzida em outubro de 2008. Em novembro, o número subiu para 12 e, em dezembro, para 16. De acordo com a pesquisa, a crise afetou as principais regiões industriais do País.  
 
Os estados mais atingidos foram São Paulo e Minas Gerais. Região Nordeste e Rio Grande do Sul foram os menos afetados.

Houve também queda nos investimentos, prejuízo na produção nacional e aumento do desemprego. A diretora de Estudos Regionais e Urbanos do Ipea, Liana Carleal, explicou que o impacto diferenciado deve-se às características do setor produtivo. A crise começou pelos setores mais densamente industrializados e depois migrou para o de bens de consumo duráveis e não-duráveis. Como a estrutura produtiva do Nordeste se diferencia da do resto do País, apesar de ser integrada nacionalmente, os impactos são defasados. "Já o Rio Grande do Sul sempre tem um reação mais longa no comportamento da produção industrial."
A economista explicou também que em janeiro a concentração do desemprego se deu na base da pirâmide salarial.

Estado terá de renegociar dívida, diz Ipea

A diretora de Estudos Regionais e Urbanos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Liana Carleial, considera inevitável a renegociação da dívida com a União de alguns estados, como Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Durante a apresentação do 18º Comunicado da Presidência do Ipea, Liane advertiu que esses estados preferiram trocar parcelas de sua dívida interna pelo endividamento externo. Com isso, expuseram-se a um risco cambial.

"Em alguns casos, o Tesouro Nacional terá de avaliar com cuidado o pedido de renegociação da dívida, porque a alternativa impõe risco cambial e não apresenta garantia de que os recursos serão aplicados em investimentos em infraestrutura", afirmou.

A diretora considerou também a tendência de o custo das dívidas negociadas atingir um patamar maior que o custo das captações do Tesouro Nacional. Técnicos do governo avaliam que esse cenário se concretizará no momento em que a taxa básica de juros, a Selic, chegar a 6%, em termos reais.

O Ipea advertiu que a crise financeira terá sérios impactos para as finanças públicas dos estados, o que exigirá maior coordenação entre essa esfera e a União. 

Fonte: Jornal do Comércio
Autor: Redação
Revisão e edição: de responsabilidade da fonte

Imprimir Enviar link

   
     
 
Comentários
 0 comentários


   
       
     



     
   
     
   
     
 

































 
     
   
     
 
 
 
     
 
 
     
     
 
 
       

R. Dr. Flores, 263 - cj 1101
Centro Porto Alegre - RS, 90020-120
+55 (51) 2160-6581 e 99997-3535
appel@consumidorrs.com.br